Páginas

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Ah...


Nem sempre acreditar é o suficiente.
Eu prometi não pensar, fingi não ligar e acreditei ter esquecido. Mas acho que tentei me enganar, e não consegui. Viva a minha audácia...
Não que você se importe. Ou se importe... Como saber?
É triste toda essa distância...
Não sei o que você pensa, com quem você anda. E, de longe, só posso sentir.
Saudade, raiva, medo...
Eu tentei te substituir, te apagar da minha vida... Vi em você todos os seus defeitos que eu ainda não tinha visto, e parece que é só eu me distrair pro seu sorriso voltar pra minha cabeça...
O seu jeitinho lento de falar, as suas piadas ruins. As curtas conversas nos breves momentos em que estivemos juntos. Os olhos que nunca se cruzavam. Os risos, os abraços, as tentativas (loucas) de manter o diálogo, mesmo sem nenhum assunto. E os silêncios, que, apesar de longos, eram agradáveis. Teria sido tudo tão perfeito!
E pensar que você talvez nem saiba disso...
É melhor não saber mesmo!
.
Dizem que recaídas são comuns nesses casos...
.
Mas eu agüento... eu sempre agüento!
.
.
.
“E quando finjo que esqueço
Eu não esqueci nada
E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais...”
.
[Massimo Luca/Gianluca Grignani – Vs. Dudu Falcão/Ana Carolina]

Nenhum comentário:

Postar um comentário