Páginas

domingo, 28 de outubro de 2007

Voa. Voa. Voa.

Insistiu em subir. Não desistiria. Sacudiu o corpo, como a limpar as asinhas, e recomeçou a andar. O primeiro destino era a árvore. Depois, o Mundo!
Em poucos instantes, estava lá. Peito estufado, olhar altivo. A vontade quase dominando o medo, um último lapso de indecisão...
Saltou. Não viu nada, nem quis saber. Estava pronto para recomeçar, se preciso.
Se não pudesse voar, na certa não teria nascido com asas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário