Páginas

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Estrofes.02

Estou com tanto ódio (mas tanto!) de um menino da minha sala que, só no caminho da faculdade para casa, eu “escrevi” três textos! TRÊS! Raiva sempre me inspirou. Aumenta meu vocabulário, acelera meu raciocínio... deve ser a adrenalina.
Mas é lógico que eu não vou passar nenhum para o papel. Aquele idiota não merece tanto.
.
Hoje, tive uma emocionante experiência: uma hemorragia nasal enquanto dirigia (sozinho!). Foi uma loucura! Eu enfiava bolas de papel higiênico na narina ensangüentada e ficava com aquele chumaço de papel branco pendendo até o queixo (acho que os pedestres adoraram, eles não paravam de olhar!). Era noite e eu não podia parar em qualquer lugar, sob o risco de outras partes arrumarem motivos para sangrarem também. E entre papéis, cuspes (argh!) e muito sangue, eu consegui chegar em casa. Sem bater, sem atropelar ninguém, sem desrespeitar as leis de trânsito e, principalmente, sem sangrar até morrer.
.
Sei guardar segredos, mas não gosto. Principalmente notícias boas. Estou com uma ótima para contar – e não vejo a hora de espalhar para o mundo, mas não posso. Uma supersticiosa nojenta me pôs medo: disse que dá azar/olho-gordo. Então, até que tudo se defina e não haja forma de dar errado o que caminha para se acertar, é melhor ninguém me perguntar “e as novidades?”.
.
Comecei a pensar sobre o meu aniversário. A princípio, eu não queria comemorar. Esse ano foi muito corrido, meio triste... não ando com “espírito” para “badalações”. Além do que, minha última festa foi muito boa e, como eu sempre digo, quando fazemos algo perto da excelência, a chance de repetirmos o feito é muito pequena. Geralmente, a gente faz pior. Quando não dá pra fazer melhor, a tendência é sempre piorar – e isso é terrível! Acontece que quatro pessoas diferentes já organizaram “pré-projetos” para a celebração dos meus dezenove anos e isso mexeu de alguma forma com o meu imaginário. Minha cabeça anda fervilhando e eu espero que continue assim. Mais uma baixa no astral e eu nem chego a sair dos dezoito!

Nenhum comentário:

Postar um comentário