Páginas

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Como destruir um Natal em uma lição

- A minha amiga oculta tem cabelo comprido...
- Elizângela!
- Thyara!
- Preta!
- ... preto em cima e loiro embaixo!

Silêncio.
Climão.
.
.
.
.
.
_
Mais alguns:

- A minha amiga oculta é muito emburrada!
.
- O meu amigo oculto é uma canseira. Ninguém agüenta ele muito tempo...
.
- A minha amiga oculta não gosta muito de trabalho. Não arruma casa, a casa dela é uma bagunça!
.
- Gente, mas ele tá muito sumido!
- Tá, demais!
- Pois é! A última que ele veio aqui, seu marido ainda tava vivo...
.
- Agora, é você quem tá precisando emagrecer, né?!
.
- Que roupa é essa?
- Meu vestido!
- Vestido? Isso? Só tá faltando a bolsinha agora!
.
- Ai, gente, parem de falar do vestido da menina. Pelo menos, ela está aqui com a gente, em família, não tá na rua!
- Até porque, se ela saísse na rua com esse vestido hoje, no natal que vem a família seria maior, né?!
.
- Ele namorou a sua prima.
- É. E diz ele que, quando eles terminaram, ele descobriu tanto chifre, mas tanto chifre.
- É mesmo?
- Uai, disso eu não sei não!
- É! Ele diz que foi mais chifrado do que jamais imaginou que um dia pudesse ser na vida!
.
Isso sem contar que a única criança presente, que era quem mais estava animada com o amigo oculto, não foi tirada por ninguém. Esqueceram o nome dela na hora do sorteio...

2 comentários: