Páginas

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Definições

É como um buraco. Uma poça de areia movediça, não sei. Sei que afundo, lentamente, enquanto sinto algo me abarcar. Talvez líquido, talvez sólido, que percorre o meu corpo, protegendo-o. E eu me deixo envolver, não resisto, mergulho completo em você.
É como uma luz que cresce, um vaga-lume que se torna Sol. Começa pequeno, oscilante, piscando a distancia, até crescer, como o fogo que se alastra. Aquece, ilumina, hipnotiza. E eu me deixo cegar, me deixo guiar por você.
É como uma taenia gigante. Metros e metros parasitas que partem, frios, de algum lugar da barriga, e se estendem por todo o meu corpo. Controlam meus braços, meus abraços, meus sinais. Roubam-me os movimentos das pernas, não me deixam fugir. Estou ilhado, sentado, vencido. Controlam meu cérebro, meus sonhos e pensamentos. Escolhem minhas palavras, determinam meu modo de andar, de vestir. Tornam-me fantoche desse desejo. E eu me deixo invadir, controlar, entregar a você.
Ainda não sei explicar, mas, de tanto sentir, é como se começasse, agora, a entender. Mas não vou te encher de palavras dessa vez. Eu sempre estrago nossos silêncios contemplativos. Por hoje, eu só quero olhar pra você.

2 comentários:

  1. por hje...queria ter mais tempo pra ficarmos juntos! eu nao quero ir pra longe de vc, nao sei se consigo mais conviver com a distancia amor!

    ResponderExcluir
  2. por hje...queria ter mais tempo pra ficarmos juntos! eu nao quero ir pra longe de vc, nao sei se consigo mais conviver com a distancia amor!

    ResponderExcluir