Páginas

domingo, 28 de dezembro de 2008

Florescer

E desabrochou. A água, que era pouca, o frio, que era muito, nada foi capaz de a deter.
Ninguém sabe de onde veio, ou quem a trouxe para cá. Mas, há dias, divide espaço com pratos e copos sujos, escorada no pano de prato da pia da cozinha, dentro de um copinho de sobremesa. Todos se acostumaram à sua presença, ou ninguém nela reparou. Talvez por ser pequena, torta, ainda botão; mas, hoje, desabrochou.
Quem não acreditava vai, agora, se surpreender. Com pouca água, pouco espaço e nenhuma confiança, ela seguiu, calada e discreta, a sua sina de ser flor. E, por ser flor, floresceu. Esqueceu os obstáculos, ignorou-os. Fez o que tinha que fazer. E é, hoje, mais forte por isso.
Talvez o segredo seja mesmo esse. Não basta acreditar, insistir ou lutar. Para ser, é preciso, também, às vezes, esquecer!

Um comentário:

  1. adorei esse blog!!!
    Cara é você mesmo que escreve essas coisas???Nossaaaa...é lindo!!
    Desculpe,mas eu tinha que comentar aqui...eu adorei esse post!!

    ResponderExcluir