Páginas

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Vinte

Todo ano é a mesma coisa. Basta o mês de julho se aproximar e começa o meu sofrimento. E sempre pelo mesmo motivo. A minha ansiedade é uma gula insaciável, um medo de perder que não me permite sossegar jamais. É a vontade louca de “viver tudo o que há pra viver”, de experimentar, de conhecer... E aniversários me fazem lembrar que esse “tudo” não tem fim, o meu tempo é que está acabando.
Completei, na semana passada, duas décadas de vida. Vinte anos! Não dá nem pra dizer que sou “adolescente” mais, virei adulto de vez, e já previa a maior crise existencial dos últimos anos por isso. Para minha surpresa, entretanto, ela não veio! É claro que não estou SATISFEITO com esse primeiro um terço da minha vida, mas ele serviu pra me fazer acreditar no futuro e me abrir mais para o presente, e isso já é uma preparação para os próximos dois. Essa pressa por coisas novas me fez pensar, sempre, que era lento demais o ritmo dos acontecimentos na minha vida, e não era, nunca foi! Eu poderia já falar duas línguas, ter lido mais livros, feito intercâmbio, ou estar casado e já com alguns filhos (céus!), mas estou feliz com o que sou agora.
Pela primeira vez, acredito no que dizem sobre “esperar o momento certo”. Sinto que apresso muito as coisas, crio e deposito expectativas demais, e isso maximiza qualquer problema pequeno. E descobri que posso esperar, vale a pena até. Ver tudo o que ainda não fiz me assusta, mas o já feito acalma, e eu sempre tive muita sorte. Estudo o que quis na faculdade que escolhi; faço milhões de coisas ao mesmo tempo e vivo minha melhor fase em todas elas; fiz e tenho amigos incríveis, com quem vivi momentos inesquecíveis e insuperáveis; até o medo de amar e sofrer, eu enfrentei e vi que faz parte da vida.
Apesar de absolutamente comum em vários pontos, reconheço, em mim, algumas particularidades complicadas agora. E estou buscando a melhor forma de me adequar a elas, o que, por si só, já é um baita crescimento. Não sou uma pessoa ruim, só não tenho, às vezes, muita boa vontade com a vida. E resolvi querer ter. Sei que tenho muito a oferecer e, por isso, preciso reduzir e equilibrar as doses, pra não desperdiçar. Estou mais confiante e tenho mais auto-estima também.
Finalmente me sinto “maduro” para determinadas coisas, eu acho. Pelo menos, já não me “vitimizo” tanto. Parei de me achar o destinatário das ações e sujeito passivo das negociações, estou aprendendo a “propor”. No fechamento dessas primeiras duas décadas, o balanço que faço é deveras positivo. Errei demais, mas aprendi alguma coisa sempre, e fui tão feliz quanto mereci – mentira, muito mais! Acredito que, mesmo “fora do ritmo” que pretendi, tive uma vida linda até agora, e continuarei tendo, com pessoas especiais, muitas oportunidades, muito sucesso e o maior número possível de experiências diferentes. Porque é disso que eu gosto, de NOVIDADE!
Só tenho a agradecer, graças a Deus! E, se pudesse pedir algo pro próximos vinte anos, seria pensar menos e arriscar mais. Porque a vida taí, minha gente. E o tempo não pára de jeito nenhum!

“O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente”
[Drummond]

4 comentários:

  1. Entendo o que é essa tal ansiedade! Mas sabe aquela história? Pode ser pior? *rs..Então, ainda tem a crise dos 25, pode esperar, e eu estou na crise dos pré ....aahnn...não preciso dizer né! Idade de mulher a gente nunca diz! rsrsrs..Mas já dizia o nosso bom e velho Guimarães "o correr da vida embrulha tudo, aperta, esfria e depois desenquieta, o que essa vida quer da gente é CORAGEM!". Se joga porque o que vier, se não passar do chão, é só aprendizado e crescimento!

    ResponderExcluir
  2. Entendo o que é essa tal ansiedade! Mas sabe aquela história? Pode ser pior? *rs..Então, ainda tem a crise dos 25, pode esperar, e eu estou na crise dos pré ....aahnn...não preciso dizer né! Idade de mulher a gente nunca diz! rsrsrs..Mas já dizia o nosso bom e velho Guimarães "o correr da vida embrulha tudo, aperta, esfria e depois desenquieta, o que essa vida quer da gente é CORAGEM!". Se joga porque o que vier, se não passar do chão, é só aprendizado e crescimento!

    ResponderExcluir
  3. "O correr da vida embrulha tudo, a vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é CORAGEM." (Guimarães Rosa).

    Agora sim! Com o trecho completo e correto! *rs =D

    ResponderExcluir