Páginas

terça-feira, 24 de novembro de 2009

É homem, logo não presta

Como prometido no twitter, cá estou, ainda que com um pequeno atraso, para explicar minha teoria de que homem não presta. Nenhum deles!

Aconteceu no sábado. Show do Cheiro do Amor no Chevrolet Hall. Fá, Bia e eu, cansados da multidão e fugindo dos homens que tentavam conquistar a Bia puxando seus cabelos, buscamos refúgio na arquibancada, próximos a um trio de amigos, que rapidamente apelidamos de “loirinho”, “bonitinho” e “avulso”, por razões que explico: um era loiro, o outro era bonitinho (no sentido “inho” mesmo da palavra) e o terceiro, demoramos duas ou três músicas para descobrir, estava era segurando vela pros outros dois. Isso mesmo, era um casal (ou uma “dupla”, como preferirem) e uma vela, como estamos todos cansados de ver por aí.

Quando digo que demoramos duas ou três músicas, refiro-me ao momento em que tivemos certeza, pois desconfiamos já no primeiro refrão apaixonado que o loirinho cantou olhando pro bonitinho. Opa! “Ou essa música tem muita história praqueles dois amigos ali ou eles se pegam!”. Não deu outra. As duas primeiras, eu já até esqueci. Mas sei que a terceira música era um sertanejo novo (é, Cheiro de Amor também é diversidade), e ninguém conseguiu disfarçar a ternura e a emoção quando o loirinho cantou “tem que ser você, sem porquê, sem pra quê, tem que ser você sem ser necessário entender” no ouvido do bonitinho. Isso a menos de um metro de mim. E nós ainda estávamos comentando e cobiçando a felicidade alheia quando a música acabou, começou outra e o bonitinho se sentou e pegou o celular para escrever uma mensagem. A nova música, “Borboletas”, não combinava mesmo com aquele momento tão romântico. Eu, claro, não me contive e quis ler o que ele escrevia, me divirto com o amor alheio, nem tenho vergonha de admitir. E qual não foi a minha surpresa ao ler “borboletas sempre voltam e o seu jardim sou eu”.

Ok! Nesse instante, a situação ficava um pouco complicada. Discutimos muito (as meninas e eu), porque é sempre hora para desvendar mistérios, e elaboramos alguns possíveis desfechos para a trama:

1 – eles, na verdade, não eram namorados, mas ex-namorados. O show estava servindo apenas de pretexto para uma reconciliação (e nós presenciaríamos esse momento ímpar). O celular do loirinho tocaria, ele se emocionaria e eles se abraçariam ali mesmo. Se se beijassem, eu até bateria palmas, tinha prometido em voz baixa. Tão lindo o amor dos outros!

2 – em algum outro lugar do mundo, outro celular tocaria e outra pessoa receberia o refrãozinho enviado pelo bonitinho. O loirinho, coitado, chegou tarde na disputa e deu o coração a alguém já apaixonado por outro. Outro este que, talvez, nem quisesse mais saber, e até mesmo ignorasse o versinho (que o loirinho tanto gostaria de ler na telinha do seu aparelho).

Existe, ainda, uma terceira hipótese, não se pode olvidar. Hipótese, para mim, tão furada, que nem sei se vale a pena expor. Mas custar não custa:

3 – era mesmo uma reconciliação, mas o loirinho não ouviu o telefone tocar. Ou, ainda, não sentiu o vibra call, ou o bonitinho errou o número, ou a operadora estava fora do ar, ou deu linha cruzada, tanto faz! O importante é que o bonitinho correspondia aos sentimentos do loirinho e aquela história de amor estava completa. Olha que lindo!

Mas, em se tratando de homens, no que é que você acredita?

Porque o celular do loirinho não tocou...

8 comentários:

  1. Hipótese 4: O bonitinho não conhecia a música, e gostou dela. Anotou um trecho no celular (para não esquecer), para quando chegar em casa jogar no google, descobrir o nome, e assim baixá-la. Já fiz isso. Não é nada romântico.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecer BORBOLETAS SEMPRE VOLTAM E O SEU JARDIM SOU EU é ser SURDO nessa cidade, ne?! hahahaha

    E, não, Faú! Não adianta! Não me convence...

    ResponderExcluir
  3. a propósito, pensando assim, vc tem que torcer pros celulares dos seus namorados não salvarem mensagens na caixa de saída.

    pq é sempre melhor nao saber...

    hahahahaha

    ResponderExcluir
  4. Que praga! hehe
    Mas o fato é que... este post está contrariando seu texto sobre Hollywood. Lá você diz que nem tudo é um conto de fadas, certo? E então, meu caro amigo, eu lhe pergunto: Por que as hipóteses para esse ocorrido são apenas românticas, ou com um toque de romantismo? Não teria uma explicação menos hollywoodiana? =)

    ResponderExcluir
  5. Sempre existe uma explicação menos hollywoodiana.
    Eu é que me recuso a acreditar nelas.

    ResponderExcluir
  6. Então vamos lá, o bonitinho não é necessariamente o bad boy, concorda?

    ResponderExcluir
  7. Olha eu que estava presente nesse momento acredito mais na segunda hipotese,ate pq depois q enviou a msg o loirinho ficou um tanto quanto inquieto e passando a mao no cabelo toda hora,isso n aconteceria caso todas as outras hipoteses fossem verdadeiras...
    Mas também nao podemos generalizar,nem todo homem nao presta....devem existir algumas exceçoes q devem habitar um planeta n muito distante daqui rsrsrsrs....
    ps: n gostei da exposição dos homens agarrando biazinha..rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkkkk...
    São essas coisas que eu leio que fazem do meu dia mais feliz.
    Bom, acredito que o menino mandou a msg para um ex ainda não esquecido. Afinal, todos nos já passamos por situações desse tipo.
    Meninos e meninas não prestão, hj em dia está bem dificil achar alguem que preste...hauhauah...ainda bem que eu já achei...kkkk...Caio, vc tbm vai axar...eu sei!!não fique triste. E com certeza esse que vc vai achar será um errado tbm, igual aconteceu cmg, mais ai com o tempo vc conserta...rsrsrsrs..

    Me conta dessa parte:
    "fugindo dos homens que tentavam conquistar a Bia puxando seus cabelos, buscamos refúgio na arquibancada"

    kkkkkkkkkk...
    isso ficou parecendo até um roteiro de filme....
    hauhauha
    Assim que tiver um tempim mando as ftos.
    bjos

    ResponderExcluir