Páginas

quarta-feira, 2 de março de 2011

Pro Nome

Parece vontade, mas é mais uma inquietação, quase uma coceira. Incomoda, vai e vem. Daí, some. Mas logo volta. E as minhas certezas se esvaem, minhas idéias, meus planos... Fica tudo pronto e encaminhado. Em vão.
Um dia, eu quero, no outro, eu posso. Nunca as duas coisas. Eu acredito e paro de acreditar, por obrigação e senso crítico, respectivamente. A esperança é que ainda é sempre maior, mas não sei por quanto tempo.
Eu prometo fazer diferente, chego mesmo a mudar. Mas, então, vem o quando, vem o como... o onde e o por quê. Malditos pronomes. Quero uma vida de verbos! E verbos intransitivos. É essa necessidade de complementar que me confunde...

Um comentário:

  1. Um dia quero, no outro dia posso, mas dificilmente os dois ao mesmo tempo. é minha realidade também.

    ResponderExcluir