Páginas

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Dia do Amigo

As redes sociais banalizaram a palavra “amigo”. Qualquer um tem 300 amigos, 500, às vezes, mil! A gente conhece muita gente ao longo da vida, mas, amigo, amigo de verdade, a gente tem que desbravar muito e selecionar atentamente pra, quem sabe um dia, encher uma mesa de bar.
E ser melhor amigo não traz tantas vantagens assim, você pode reparar. Seu amigo de verdade não aparece nas fotos do seu aniversário. Você tira uma ou duas com ele e lhe entrega logo a câmera, porque não confia em mais ninguém pra pegar o momento exato em que você apaga as velinhas.
Ele, geralmente, nem aproveita muito as suas festas, porque chega antes, enche os balões, arruma as mesas, enrola os docinhos e, quando os outros amigos chegam, já está suado e cansado, caído em algum cantinho.
Ele está sempre com você, em todos os lugares, e, por isso, já cansou de ouvir as três únicas piadas que você sabe contar. Mas ri sempre, porque gosta do seu jeito de contar cada uma delas.
Ele já te conhece o suficiente pra você não ter vergonha daquele CD horroroso que ninguém sabe que fica escondido no carro. Não há impressões a serem formadas, ele já é seu amigo! E ele escuta aquelas músicas ruins sorrindo, porque sabe que não adiantaria reclamar, e jamais magoaria você.
Com seu amigo verdadeiro, você não tem barreiras nem bom senso. Vocês falam sobre tudo. Ele é seu confidente, seu parceiro, seus ombros. Está lá quando você ri, quando você chora e também quando você bebe demais e vomita... Você não tem pudor em constrangê-lo e a intimidade só faz aumentar esse problema. Vocês viajam juntos e você para de reparar na presença dele. Não há “outro” no recinto, há ele. E você troca de roupa, faz xixi de porta aberta, ronca, solta pum.
Com o amigo de verdade, você não tem problemas em desmarcar. Ele entende, ele espera, ele sabe o quanto você queria sair com não sei quem, que resolveu te dar bola logo hoje, no dia da cervejinha! Ele espera também quando você atrasa. Te busca e leva em casa quando preciso e compra chocolate quando você avisa logo que não vai sair. Daí, você come o chocolate e sai, porque seu melhor amigo é teimoso e pirracento. Fica lá, te cercando, te ligando, te atentando. Você para de atender e ele chama no portão. Te arranca da cama, te convence a voltar a lutar, te sacode até você perder a paciência.
Um amigo de verdade não te deixa nem morrer em paz. Ele é egoísta, quer você vivo, quer você presente. Te exige atenção, carinho, presença. Um amigo de verdade não te dá sossego e nem espaço. E você adora.
Há alguma grande vantagem em amizades assim?
Eu vejo todas!

Um comentário: