Páginas

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Minha vida é aquela tela azul!

Caio Pedra e Gabryela Andrade

- Eu não to agüentando mais, sabe?
- Sei.
- É! Eu sei que você sabe. Acontece o mesmo com você. Mas é que hoje tá pior. Eu consigo lidar com isso geralmente e, hoje, não tô conseguindo. Eu quero conversar, mas não quero. Se eu desabafar com alguém, vai parecer frescura. Pelo menos, você eu tenho certeza que me entende.
- Eu sei exatamente como é isso.
- Eu quero sair correndo, sabe?
- Espera um minutinho, eu vou ali no banheiro chorar.
- Oi?
- É! eu te liguei pra te ajudar, mas, daqui a pouco, sou eu quem vai começar a chorar!



- O que me dói mais é essa música clássica!
- Ai, sério?
- Nossa! O dia inteiro, sabe? Eu não agüento mais!
- Cadê seu IPod?
- Roubaram!
- Ai. É. Nossa, mas você não tem celular, fone, nada?
- Tenho, mas todo mundo me olha estranho quando eu coloco.
- Como assim?
- A sala tem um jogo de copos e eu tenho um só meu. Tem uma vasilha de lanche e eu guardo o meu na gaveta. Tem um rádio e eu uso fone. Me julgam, eu acho.
- Nossa. Difícil.
- E essa música me desespera. Porque música clássica você sabe, né? Começa lentinha, vai acelerando, acelerando e, de repente, é aquele tananananã. Dá vontade de sair correndo e pular da janela.
- Eu imagino.
- Aqui é o 11º andar!



- Eu nem conheço eles, sabe? Mas, hoje, do nada, tão lá os dois abraçadinhos numa foto na minha tela.
- Nossa!
- Abraçados, sabe?
- Isso não quer dizer nada.
- Não?
- Não!
- Pois, pra mim, diz tudo!
- Grita, né?
- Fala em três línguas. Eu vi e já comecei a sofrer.
- Com certeza. Mas você ainda pode perguntar pros amigos em comum. Vocês têm amigos em comum?
- Eu quero saber?
- Claro que não, né?
- Eu quero só sofrer!
- Mas tem umas coisas, né?
- É. É porque é assim mesmo, sabe? Eu fico com a sensação de que existe uma vida lá fora. Aqui dentro, não, mas, lá fora, existe uma vida em que as pessoas se conhecem e se namoram. E a vida das pessoas segue. A minha, não, mas as delas seguem!
- Uma vida onde as pessoas têm a quem amar.
- Você conseguiu fazer tudo parecer ainda pior.



- E você não sabe o que eu descobri.
- Ai!
- A gordinha, na verdade, é apaixonada pelo esquisito.
- Qual esquisito? O sujo?
- O de branco.
- Ah! O esquisitíssimo!
- Ele! Então, ela é apaixonada por ele, louca, louca, louca de amor. Aí, ficou com o outro pra fazer ciúmes.
- O quê? Você tá me dizendo que ela destruiu a minha vida só pra fazer ciúme naquele esquisito?
- Pra você ver... Ela queria fazer ciúmes e...
- E destruiu a minha vida! Foi isso que ela faz! Nossa. O amor é uma trama, né? Que linda história de amor! Parece novela! É Malhação 2011!
- É. Tem vida que parece novela, tem gente que tem vida mini-série... A minha vida é aquela tela azul, sabe?
- A minha é a que chia. Que bosta!

Um comentário: