Páginas

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Direito

Li, uma vez, que “envelhece todo aquele que perde a capacidade de se indignar”. E isso tem me feito jovem desde então. Eu sempre gostei de cores, de música, livros... e tenho certeza de que me daria bem nas artes. Meu sonho é e sempre foi escrever. Mas essa juventude é quem dita as regras dentro de mim e não me permitiu escolher outro caminho que não o Direito.

Meu coração tem um pavio aceso que estoura diariamente, sempre que vê uma injustiça, uma maldade. Parece apitar na presença de más intenções. Melhor que meus olhos, ele é capaz de enxergar através de discursos bonitos, frases firmes e sorrisos assimétricos. E, antes que a boca se abra, ele grita. E eu com ele. Por isso, o Direito.

Sou, por natureza, um brigão. Aquele chato, pelinha, que não abaixa a voz, não fecha os olhos e, principalmente, não aceita um “não” assim, avulso e injustificado. Eu poderia ser jornalista e arriscar a vida investigando e desmascarando grandes criminosos, poderia ser médico e me dedicar às pesquisas, poderia ser assistente social e viver querendo levar, pra minha casa, todo mundo que não tem um teto. Mas eu escolhi o Direito e quero que seja essa a minha contribuição.

Ainda não vivemos num mundo em que a Justiça chegue para todos, infelizmente. Ela é cega, às vezes surda e, ao que parece, não se movimenta muito bem. Tem dificuldades para subir o morro, atravessar córregos e ultrapassar uma ou outra fronteira. A justiça precisa de ajuda. E é pra isso que existem os que escolhem o Direito.

Sei que todos nós temos o poder e o dever de fazer um mundo melhor a nossa volta. É esse o meu objetivo. Para lidar com a maldade dos homens, só a retidão de outros homens. Um viva para estes!

2 comentários:

  1. Acho bonito você enxergar tudo isso em sua profissão. Principalmente por ser ela muitas vezes 'escolhida' para fins secundários, que não sejam o interesse pelo DIREITO e Justiça, com tudo o mais que lhe cabe.
    Abração, moço! E bom restinho de curso, já que está quase na reta final.

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto!!! E eu concordo plenamente. Também acredito que o Direito precisa dessa indignação frente às injustiças.
    É isso aí!

    Parabéns, neném!

    Beijo grande!

    ResponderExcluir