Páginas

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Amadurecimento


O tempo tem que amansar você. Por mais que pareça que não, é essa a verdade. O tempo tem que te acalmar, te deixar mais “zen”. Alguém disse, certa vez, que “envelhecer é perder a capacidade de se indignar” e é bem por aí mesmo. Eu não diria “envelhecer”, muito menos “indignar”, mas o amadurecimento exige uma certa tolerância a mais, sim. Ele é uma sobremesa que só chega pra quem já engoliu todos os sapos.
Pra amadurecer, a gente precisa aprender a ignorar certas coisas. Não dá pra rebater tudo, discutir tudo, reclamar de tudo. Tem coisa que é só deixar passar. É preciso aprender que algumas pessoas nascem para ter razão e outras nascem para ter sossego. E, no fim, isso tudo é uma questão de escolha.
Eu devo ter envelhecido. Quando coisas como essa me magoam, não reclamo mais. Não respondo. Não escrevo uma carta de seis páginas como (tantas vezes!) já fiz. Não ligo pra tirar satisfações, não grito, não choro. Eu lembro os momentos bons que passamos juntos, a importância da amizade, o prazer da companhia. Busco motivos para não encerrar ali aquela amizade, nunca para começar uma guerra. E não é que eu tenha ficado "bobo". Bobo é você, que sofre.
É uma pena ver a pouca diferença que o tempo faz em algumas pessoas. Ver como elas ainda lidam com certas coisas, o que pensam e, principalmente, como se expressam. Perceber a agressividade que ainda emana das suas atitudes, o orgulho... O amadurecimento deixa o mundo até mais bonito. Reduz as vingancinhas, as briguinhas, as respostinhas... reduz tudo o que é diminutivo e não te leva pra frente. Não sei como você não vê isso...
Respire fundo, relaxe, releve e reflita.
Renda-se!